Faço o que amo, amo o que faço!!!

10 de jun de 2015

Pensamentos...

"Não há mestre que não possa ser aluno."
Baltasar Gracian y Morales
(Pensador Espanhol)

15 de abr de 2015

Orai e Vigiai

Bom dia!!!
Aplique a máxima "orai e vigiai" aos seus pensamentos hoje. Ore pedindo por bons pensamentos e vigie, para que cada vez que um não tão bom se aproximar, você consiga afastá-lo sem que seja afetado por suas vibrações!



28 de set de 2014

Dia especial.....

 Hoje foi um dia muito especial pra mim.

 Há 6 anos atrás, subi nesse palco pela última vez.


 Hoje, ao chegar para a passagem de som me emocionei lembrando de todas as vezes que meus pés tocaram esse palco.

 Minha primeira vez num palco, foi neste palco!

 Esse teatro faz parte da minha história. As aulas era realizadas nessa sala:


 Um projeto de inclusão social, pelo qual passaram cerca de 500 meninas em situação de risco. Sem qualquer pretenção financeira, as que tinham um pouco mais de condição financeira contribuíam, quando podiam, com uma pequena taxa para que todas pudessem se apresentar e ter seus trajes e acessórios. As que não podiam contribuir com dinheiro, ajudavam de outras formas. nas aulas, umas ajudavam as outras com os movimentos, com os trajes, maquiagem, bordados, literatura e músicas para estudo... no nosso auge, atendemos 120 meninas de 7 a 16 anos, divididas em 3 turmas com 40 alunas cada. As aulas aconteciam todo domingo pela manhã.

 Esse era o nosso mascote!



 O leão deitado, símbolo da cidade de Rio Claro, minha cidade natal.

 Comentei com uma companheira de dança da época, que fiquei triste por não ter tirado uma foto ao lado dele pra fazer um antes/depois! rs

 Besteira ou não, ele estava lá todo domingo "protegendo" as alunas do Projeto Luz do Oriente.


 E hoje, esse foi o meu retorno a esse palco que faz parte de minha história como dançarina, faz parte de mim!






25 de set de 2014

O poder da Dança



 Imagine um ambiente inóspito. Cheio de pessoas diferentes. De mulheres diferentes. Vindas de toda parte do estado.

 Imaginou?

 Tenho certeza que o cenário que você imaginou não é um Centro de Ressocialização Feminino.

 É?

 Não, né?

 Pois é... nesse ambiente singular, a Dança do Ventre entrou. 

 Ano passado, uma amiga foi convidada a levar para mulheres detentas, uma forma de elevar sua auto estima, de aprender a se valorizar e se respeitar. Ao longo desse ano, em encontros semanais de 1 hora, ela levou seus conhecimentos praquelas mulheres. De diferentes idades, ideais, realidades, mas que tinham em comum a admiração pela Dança do Ventre.

 Passei a acompanhar essa amiga ha alguns meses. E conversando tentávamos não só ensinar os passos, a coreografia, os elementos e instrumentos... tentávamos trazer pra realidade delas um pouco mais de alegria.

 Você pode perguntar se era difícil, pelo ambiente, pelo "tipo" de pessoa que estava lá dentro e, a resposta que tenho pra dar é que o mais difícil é a falta de uma sala com espelho na parede pra fazermos as aulas e ensaios. Tudo é feito no pátio, de cimento no chão, com rádio emprestado, dividindo o espaço com as não alunas que estavam trabalhando. No mais, o comum que vemos em toda escola de dança: alunas que começam mas que não continuam, faltas, desânimos, exageros, tietagem, impaciência e as vezes desentendimentos entre as alunas por causa da cor do traje ou da escolha da música.

 Ontem, fizemos uma apresentação no CR. Várias pessoas de fora da instituição foram convidadas e compareceram.

 Choveu, molhou parte do pátio, o início teve que ser atrasado... o nervosismo das meninas por ser a primeira apresentação... maquiagem, ajuste nos trajes e frio na barriga... todos os que já subiram num palco sabem o que são essas sensações!

 Preparação antes de entrar.... todas de mãos dadas, algumas palavras da professora e minhas (assistente), principalmente motivadoras e de agradecimento!

 Cada uma sabe o porque de estar ali, não no CR,não detidas por terem feito algo contra a lei, mas prestes a se mostrarem como bailarinas, como mulheres lindas que são!

 A música começa! vamos entrando em fila até chegarmos ao palco e dançamos. Quando terminou a coreografia, as alunas pedem pra que fiquemos no palco. Começa uma nova música e elas dançam, uma coreografia criada por elas, de surpresa para as professoras! Que, ficam embasbacadas, de queixo caído!!!

 Para a coreografia, a professora escolheu uma música moderna, trabalhamos com véus, coisa simples. 
 
 Para a nossa surpresa, elas escolheram uma rotina clássica, de 7 minutos. Com taksim, com variações.... uma música que eu nunca teria dançado com menos de 2 anos de aula. 

 Mas foi o que elas fizeram. 

 Algumas tem apenas 3 meses de aulas. Menos até... e criaram uma coreografia!

 Sem sala de aula, sem espelhos nas paredes, com poucos recursos materiais, mas com muitos recursos emocionais!

 Khralissa disse que foi a homenagem mais linda que ela recebeu de alunas.

 Pra mim, foi a prova que Deus está presente até mesmo onde muitos acham que ele não entra. E o orgulho, não só de poder ensinar a elas a beleza da Dança Oriental, mas delas entenderem que o principal é a união de um grupo, o respeito pelas diferenças de cada uma para que a apresentação delas desse certo! E o principal!!!! que elas se divertissem dançando!

 Obrigada às alunas do Centro de Ressocialização Feminino de Rio Claro, por mostrar que mesmo entre as paredes do CR, a alma é livre e a felicidade e bom humor são o que valem!

 Obrigada Deus, por me permitir participar da vida dessas mulheres!

Bjs
Namastê
Si Nefertari

16 de set de 2014

E daí que ele é namorado/marido de professora de Dança do Ventre?!

Bom dia!!!

 Ontem estava lembrando de algumas ocasiões em que estive com meu marido, e em que encontramos algumas pessoas, amigos (as) dele que não o viam já há algum tempo.

 Quando rola aquele interrogatório de "o que você faz", "de onde é", "do que gosta"  e respondo que sou professora de Danças Orientais, aparece o ponto de interrogação gigante na cara! rs

 Aí explico, que a Dança do Ventre está incluída nesse estilo (se é que posso chamar de estilo e por favor me corrijam se não puder!) junto com folclore árabe e coisa e tal, na hora olham pro meu marido e dizem: "Que sorte a sua hein?"

 E ontem, me lembrando desses episódios que acontecem já ha bastante tempo (afinal, estamos juntos ha 10 anos), fico pensando que as pessoas nos veem, nós, professoras e dançarinas de Dança Oriental, como as mega stars do sexo! rs quando na verdade somos apenas mulheres, que tem suas fases boas e não tão boas no desejo e apetite sexual! (afinal, temos hormônios como todas as outras e eles nos deixam doidas em certas datas!!! rs).

 É engraçado como uma expressão de admiração pelo o que o outro faz pode ter sentido ambíguo.

 E depois... por que "sorte a dele"? e eu?  (rs olha a inveja!!! kkkk) O meu trabalho não é lindo, mas ele tem sorte por eu ser professora de dança? Coitadas... se soubessem que eu nunca dancei pra ele....

 Já aconteceu com você? Conte como foi!! ;)

Bjs
Namastê
Si Nefertari

16 de jul de 2014

Onde está o seu quadril?


Olás!!!

 Tô viciada em ouvir o Podcast do Sala de Dança!

 Re-escutando o 20 “Suheir Zaki” e o 21 “Você tem fome de quê”, voltei a pensar em como a dança vem mudando e se transformando nos últimos anos.

 As pernas altas, os deslocamentos rebuscados, incorporação de elementos de outras danças e, nas palavras de Jade El Jabel citada por Carol Louro: “o quadril foi passear e não voltou mais!”.

 Alias, esse é um ponto em que venho pensando já há algum tempo!

 Quando vi os vídeos da Esmeralda, na hora pensei: “olhai o quadril!!!! Os oitos, os redondos, a interação com o público!... noooossa!!!”

 Por favor, pessoal! Não estou dizendo que não gosto das apresentações das demais dançarinas! AMO!!! O jeitinho delicado e as carinhas da Lulu, o charme da Ju Marconato me deixa hipnotizada! O jeito muleka da Kahina me encanta! Mas venho sentindo muita falta do quadril trabalhar!

 E me peguei pensando que eu também não estou fora dessa realidade! Acho lindo fazer um charme com a perna levantada num ponto estratégico da música ou encaixar um passo que vi alguma outra dançarina num vídeo usar e que achei lindo também porque o “quadril não se usa mais”.

 Puts! Mas o quadril o ventre é a base da dança! E onde fica a nossa criatividade pra elaborar novas combinações de passos? Quando comecei a dançar a minha professora dizia: treinem seus corpos! Escreva o alfabeto com o peito, com o quadril! Meses atrás, numa aula da Lulu ela disse façam um C e emendem um S. wow!!! Que loucura foi isso!

Então faço uma pergunta: o quanto você tem usado seu quadril na sua dança?

Bjs
Namastê

Si Nefertari

13 de jul de 2014

Aulas de Danças Orientais em Rio Claro

Boa tarde!!!!

 Estou com novos horários no Espaço Camélia, em Rio Claro!

 Venha conhecer o Espaço e a mim! Faça uma aula gratuita!

 O Espaço Camélia fica na Av. 17, 825 entre as ruas 7 e 8 no bairro Saúde.

 Tel: 19 - 3024 0881

Conheça também os produtos da Revista Shimmie em nosso ponto de venda!

 Turmas e horários:

Básico Infanto Juvenil (10 a 14 anos): Quintas das 8:30 às 10 h

Básico Juvenil (15 a 19 anos): Quartas das 12:30 às 14 h

Básico Adulto (a partir de 20 anos): Sextas das 8:30 às 10 h

Intermediário Adulto (a partir de 20 anos, com pelo menos 2 anos de estudo ininterruptos): Segundas das 12 h às 13:30 h

Bjs
Namastê
Si Nefertari

12 de jul de 2014

Águas passadas.....

  Bom dia!!!!

 Já há alguns dias, ouvindo um podcast do Sala de Dança, um comentário me chamou a atenção. Uma dançarina estava dizendo que ao assistir um vídeo dela dançando anos atrás, se sentiu triste (não foi exatamente essa palavra que ela usou mas o sentimento que me recordo é o de tristeza. Infelizmente não lembro de qual podcast ouvi, mas pretendo encontra-lo e postar o link aqui pra vocês!) por perceber que não era mais capaz de dançar com a essência que tinha no início de seus estudos.

 Hoje pela manhã, estava tomando banho e no meu playlist tocou uma música que eu dancei quando tinha cerca de 1 ano de estudo. E percebi que lembrava de algumas sequências que utilizei, mas que na maior parte da música, outros movimentos se encaixavam!

 E enquanto tomava banho, dançava e lembrava comecei também a analisar o que foi agregado a minha dança, ao meu repertório e também ao que meu corpo vivenciou nesses 13 anos em que venho estudando a dança oriental.

 No início, nosso corpo tem que se acostumar com os novos movimentos, os redondos saem tortos.. mais ovais do que redondos! rs O tronco não pára quieto enquanto o quadril tem que se mover e a gente fica parecendo uma minhoca doida na sala de aula! rs

 Mas com o tempo, o treino, o redondo sai redondo e o quadril obedece assim como o resto do nosso corpo. É claro que os movimentos que fazíamos no primeiro ano de dança, quando os comparamos 2 ou 3 anos mais tarde, serão bem diferentes.

 A essência não muda, muda a técnica! Muda o seu conhecimento acerca do seu corpo, da sua consciência corporal!

 Nesses 13 anos de estudo, que comecei com a dança do ventre básica, em que mal sabíamos diferenciar os ritmos, passei por professores especialistas em dança clássica egípcia, danças turcas, danças sagradas, tribal, dança indiana, pilates, yoga, ballet, dança de salão, tive uma filha! ... e a cada aula, cada dia, o corpo foi se adaptando para o novo, para a nova experiência a qual eu o estava submetendo.

 Sim, se hoje eu for dançar a primeira música que solei ha 13 anos atrás, dificilmente ela será igual.

 Sabe aquele ditado que diz a água do rio nunca é a mesma todo dia? Nós também não! Nosso corpo também não! A cada dia adquirimos novos conhecimentos, novas vivências que somam e que nos transformam.


 Pensem nisso!

 Bjs
Namastê
Si Nefertari

9 de jun de 2014

Intensivão de feriado!!!

 Olá pessoal!!

 Estou envergonhada por não ter postado mais nos últimos muitos meses...

 Desde fevereiro estou preparando a loja física pra que vocês possam me visitar e adquirir produtos de qualidade para a prática e estudo da Dança Oriental, voltei a trabalhar, montei novas turmas de dança e tudo tem caminhado de forma que me mantém bem ocupada!

 Sim, mas isso não é desculpa!

 E então vamos ao que interessa!!

 Galera Raks Shark do interior de São Paulo!!! Estou com turmas formadas em Rio Claro nos seguintes dias e horários:

Adulto Iniciante: quarta-feira 12:30h e sexta-feira 10h

Dança Árabe para CASAIS (baladi e dabke) sexta-feira 12h

E, no feriado de 19 de junho, eu e a professora Khralissa vamos ministrar 4 aulas num intensivão!!


Nâo percam!!!

Espero vocês no Espaço Camélia!

Bjs
Namastê
Si Nefertari